Saúde Mental

Casquinhas de ferida

Imagine uma espinha enorme no seu rosto ao olhar no espelho depois de acordar. Ela aparece bem no dia que você tem um encontro ou uma reunião importante. Você não resiste e cutuca, passa um corretivo e vai para seu evento. Quem não faz isso? Difícil quem resista a resolver esse “problemão” de imediato. No outro dia a espinha virou um machucado e já se vê uma casquinha se formando. Bom, não podemos ainda ser vistos assim e partimos logo para tirar a casquinha, passar um corretivo e partir para as atividades do dia.

Melancolia

Quem nunca se sentiu melancólico, bucólico em um dia, literalmente, nublado ou quando as circunstâncias estão nubladas e estamos passando por perdas significativas na vida? Em países muitos frios ou constantemente nublados existe até uma estatística do número de pessoas com depressão. Já discuti isso no meu artigo ‘Depressão no Inverno?’.

Consumista ou Acumulador?

Boa pergunta! Principalmente para quem chegou a pensar em como começa a trajetória de um acumulador, daqueles que vemos na TV e nos chocam com a quantidade de itens e lixo acumulados e o sofrimento envolvido, beirando a irracionalidade.

Ninguém começa a ser acumulador do dia para a noite. É uma construção que começa sutilmente, com pequenos consumos e vai até o absurdo de incomodar os vizinhos com a quantidade e qualidade do que é acumulado. No início, um pedido de ajuda silencioso, ao final um grito desesperado.

Páginas